quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

VENEZUELA: CRISE EXISTENCIAL DA GRANDE MÍDIA

Diversos são os países que tem optado pelo caminho da alternativa ao neoliberalismo, mas ultimamente, nem Cuba com seus 51 anos de revolução é tão achincalhada e escurraçada pela grande mídia como a Venezuela presidida por Hugo Chávez. Para cada nova notícia inventa-se uma nova crise num país onde na verdade as coisas seguem o seu rumo.

Há aproximadamente três semanas, a Ministra do Meio Ambiente, Yuvirí Ortega, e seu marido, o Vice-Presidente e Ministro da Defesa, renunciaram porque ela está com diabetes e precisa se tratar. Neste caso, mais uma vez percebeu-se como a grande mídia é podre, calhorda e safarnanda, ao utilizar tal fato para passar aos noticiados que a Venezuela se encontra em crise porque dois ministros de Chávez estariam em desacordo com os rumos tomados pelo governo, sendo que na verdade trata-se de um problema pessoal que envolve um delicado cuidado com o estado de saúde de um ser humano.

O responsável por este blogue foi caçoado por algumas pessoas que trabalham no mesmo prédio que ele, ao dizerem em "portunhol" que "en Venezuela se usa la lamparina" porque "Chávez no quer que la populación utilize luz elétrica". Vacinado contra as mentiras da grande mídia, o responsável pelo blogue nem levou as provocações em conta, pois a capacidade de geração de energia na Venezuela aumentou em 50%.

Não podemos negar que é objetivo o fato do Governo Chávez ter um plano de brutal economia energética, o que não se deve à falta de investimento neste setor, mas sim ao aumento de demanda de energia elétrica, apesar do aumento da geração em 50%. "Temos construído habitações, hospitais, escolas e redes de transporte, o que disparou o consumo", explicou Chávez. Concomitantemente, a maior usina hidrelética do país, localizada no Rio Guri, sofre com a seca provocada pelo fenomeno climático do El Niño, que diminui em 11 centímetros diários o nível da represa deste rio, responsável pelo abastecimento de 73% da energia elétrica na Venezuela.

Realmente precisamos admitir que a Venezuela vive uma crise econômica nos mesmos moldes dos países desenvolvidos. Só em janeiro passado, foram arrecadados cerca de 6,4 bilhões de bolívares em impostos, num país onde o "ditador" possui 58,3% de aprovação da população e seu partido, o PSUV (Partido Socialista Unificado da Venezuela), é reconhecido como maior força política do país, com aproximadamente 33% de respaldo. Isso é o que acusa um instituto de pesquisas da oposição.

Depois de alguns canais de TV à cabo saírem do ar por não estarem cumprindo a legislação venezuelana referente às telecomunicações, quase todos voltaram ao ar. O único que continua fora do ar é a RCTVI, uma espécie de Rede Globo venezuelana que participou do golpe de Estado midiático afim de depor Chávez, em 2002, com patrocínio dos EUA.

Novas calúnias surgirão. Ao noticiar uma crise inexistente na Venezuela, a grande mídia sim se vê em crise: quando cai por terra sua tese da impossibilidade e inaplicabilidade téorica de uma sociedade de iguais.

Lucas Rafael Chianello, além da grande mídia.