quinta-feira, 12 de agosto de 2010

MONÓLOGOS E DIÁLOGOS

Mais uma vez a Rede Globo de Manipulação, uma das alas do PiG (Partido da Imprensa Golpista), demonstrou claramente aos telespectadores do Jornal Nacio-Anal quem é o seu candidato nas eleições presidenciais que se aproximam. Na verdade, nem precisava. Basta pesquisar sua postura na cobertura dos grandes fatos políticos do Brasil nos últimos 20, 30 anos, que se torna facílima a tarefa de identificar sua preferência. Mas para não deixar dúvidas, a ordem foi dada: deixem Serra falar e tentem espinafrar Dilma a todo momento.

Na entrevista com o candidato tucano, o casal apresentador se comportou como um juiz de direito num processo de jurisdição voluntária: função meramente administrativa. As interrupções apenas tinham a função de ordenar os assuntos da entrevista, para que desse tempo do candidato esclarecer tudo aquilo que a direita brasileira julga necessário esclarecer: pedágios, política de alianças, métodos de adminstração no governo FHC e no governo e prefeitura de São Paulo, etc.

Porém, dois dias antes, o que se viu foi a tentativa explícita de espinafrar, no ar, a candidata petista Dilma Rousseff: um monólogo de William Bonner, que a todo momento questionava rispidamente a candidata sem que ela pudesse sequer terminar de responder às perguntas elaboradas, somado ao tom cínico e canalha dos questionamentos referentes à uma suposta personalidade autoritária de Dilma.


Ainda sim, a candidata se saiu muito bem. Respondeu à altura, porém com categoria e de forma esclarecedora, a todas às perguntas elaboradas e ao ataque feito indiscriminadamente, de modo que a tentativa de se desgatar a candidata do PT se converteu numa oportunidade a mais dela mostrar qual o programa político será executado se ela for eleita presidente (oxalá assim aconteça!).

No final das contas, foi isso: mais uma demonstração de que a grande mídia tem, sim, a sua preferência nessas eleições. E no que depender dela, Serra será imposto guela abaixo na garganta da população brasileira. Pouco importa qual o seu programa político, o seu projeto para o país. Só não contavam com uma Dilma Rousseff estrategicamente preparada o suficiente para não cair na armadilha, o que tornou a tentativa de espinafrada numa chance a mais de Dilma mostrar porque é a melhor opção para o eleitor brasileiro nessas eleições.

Lucas Rafael Chianello, além da grande mídia.

Outros assuntos

Antes Selenike, agora Seleglobo. A ala do PiG liderada pela família Marinho não transmitiu a primeira partida da seleção brasileira de futebol, em TV aberta, após a copa na Africa, contra os EUA. Pouco menos permitiu que outra emissora transmitisse. Os interessados que assistissem o jogo apenas pela internet ou pelo Sportv, seu canal fechado 24h esporte. De quebra, o repórter/comentarista Alex Escobar, funcionário da emissora xingado por Dunga durante uma entrevista coletiva na copa, foi presenteado com uma camisa da seleção. Afinal, nem bem Mano Menezes assumiu e os privilégios à emissora voltaram a ser concedidos.

Um comentário:

  1. A truculência, deselegância e falta de educação foram personificadas pelo William Bonner diante de Dilma Rousseff. Afinal, não nos esqueçamos, ele considera seus telespectadores Homer Simpsons. E essa personificação contrastou claramente com o tom polido adotado perante o presidenciável tucano.
    Depois a mídia esperneia quando se aventa a hipótese de controle social da mesma!!!
    Já na entrevista de hoje, Plínio colocou a Globo numa saia justa. Ainda não entendi se a entrevista foi ao vivo ou gravada, o importante foi ver Plínio usando o espaço da Globo para espinafrá-la!!!

    ResponderExcluir

Instruções para comentários:

1 - serão removidos pelo moderador aqueles que não estiverem relacionados com o conteúdo da postagem e/ ou conter palavras de baixo calão ou inapropriadas;

2 - para publicar seu comentário, você pode fazê-lo usando sua conta do google. CASO NÃO TIVER A CONTA DO GOOGLE OU PREFERIR NÃO USÁ-LA, escolha a opção Nome/URL e deixe a opção URL em branco que não haverá nenhum problema.