sábado, 13 de agosto de 2011

FIDEL, 85 E O MUNDO

Após, digamos, atualizar o socialismo, Cuba celebra hoje os 85 anos do maior expoente de sua história, que vê seus posicionamentos políticos se tornarem cada vez mais relevantes em face daquilo que atualmente acontece no mundo.

Infelizmente, quando se trata de Fidel Castro nem sempre é possível um debate de alto nível, pois seus detratores, quase sempre com ódio gratuito e irracional, desovam inúmeras calúnias para adjetivar o líder da Revolução Cubana. Mas Fidel é maior do que isso e sem dúvida alguma que em seu aniversário vale muito mais a pena discutir sobre aquilo com o que ele pode contribuir (e contribui) ao invés de perdermos tempo rebatendo infundados argumentos que constantemente tentam escurraçá-lo.

Pois bem, para debatermos em alto nível a contribuição de Fidel para o mundo atual e inclusive demonstrarmos o quão atualizada se encontra tal contribuição, uma frase por ele proferida nos anos 50 quando do julgamento do assalto ao Quartel de Moncada é essencial: "legítima é a Constituição que emana da soberania popular". Atualmente, três fatores na ordem mundial expressam a grande essência da frase de Fidel: as eleições de governantes de esquerda e progressistas na América Latina, a crise econômica de EUA e Europa e as revoltas populares no mundo árabe.

No caso da América Latina, por diversas circunstâncias históricas, políticas e sociais, essa parcela continental deixou para trás seu complexo de vira lata periférico para se tornar um modelo inovador para o mundo no tocante ao estabelecimento de novas ordens constitucionais. Após as ditaduras militares patrocinadas pelos EUA no período da Guerra Fria, sucedidas por democracias liberais, diversos países tomaram as rédeas de seu próprio destino ao escolherem seus modelos econômicos, alternativos ao neoliberalismo, por meio de assembleias nacionais constituintes ratificadas pelo voto popular (plebiscitos). Assim como no caso de Fidel Castro, estes países (principalmente Venezuela e Bolívia) são caluniados diariamente pela grande mídia como republiquetas de bananas governadas por ditadores. Todavia, ao contrário do que se é noticiado, o que se vê e acontece é a garantia da instrumentalização da cidadania e da própria democracia como forma de participação e decisão política populares.

Esta mesma instrumentalização é o que se discute atualmente na Europa (principalmente na Espanha e na Grécia) quando se vê a tomada de decisões sobre a economia dos países acontecerem em gabinetes e negociatas a portas fechadas, noticiadas pela grande mídia, sem que isso fosse debatido com os respectivos povos. Fidel, do alto de seus 85 anos viu recentemente Cuba reajustar seu modelo econômico dentro de um intenso processo de participação popular. Em suma, o aniversariante do dia vê a todo momento a grande mídia e seus lacaios taxarem-no de ditador, enquanto os europeus, dispostos a convocarem assembleias constituintes para desenvolverem modelos econômicos que julgam seguros, são reprimidos com jatos d´água, prisões arbitrárias, gases lacrimogênios e balas de borracha.

Essa mesma postura policialesca é flagrante em diversos países do mundo árabe que desempenham o papel de satélites do ocidente e até mesmo assassinam seus civis que clamam por democracias baseadas em novas ordens constitucionais. O que será destes Estados não deve agradar a ninguém, mas tão somente aos seus povos, que possuem na elaboração de Constituições por si elaboradas as chances de traçarem seus destinos a partir de sua autodeterminação.

Sendo assim, Fidel em seu aniversário nos presenteia com sua vida e sabedoria uma frase proferida há muitos anos que cabe totalmente nos dias atuais e é um dos grandes pilares para que o mundo encontreum caminho de paz e igualdade entre homens e mulheres: "legítima é a Constituição que emana da soberania popular".

Parabéns, Fidel Castro! Feliz cumpleaños!

Lucas Rafael Chianello, além da grande mídia.

Para saber mais sobre o aniversário de Fidel Castro: